Notícias da hora

Loading...

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Novidades sobre tendinites no atleta.

Todo mundo ouve falar de tendinites, mas o que poucos sabem é que a maior parte de lesões dos tenistas são as chamadas tendinoses. Um nome complicado para dizer que o seu tendão tem uma degeneração, e em alguns casos ele pode até estar rompido sem você saber.
 
 
 
Todo tendão pode inflamar, e todo tendão pode se desgastar, em virtude de sobrecargas agudas ou crônicas. Muitos tenistas já devem ter sentido isso na pele, ou melhor, no cotovelo, no ombro ou no joelho.O importante em todo caso de tendinite é FAZER UM DIAGNÓSTICO PRECISO DO QUE ESTÁ ACONTECENDO NO TENDÃO. Se for uma inflamação devemos tratar de um modo – geralmente remédios e uma a duas semanas de fisioterapia resolvem. Se o tendão estiver degenerado (em outras palavras, desgastado, a ponto de ter às vezes rupturas) devemos tratar de outra forma. Hoje em dia os melhores exames para diagnosticar adequadamente a lesão são o ultra-som e a ressonância magnética.
 
As tendinites crônicas podem ser tratadas por vários métodos, e dentre eles, nos últimos anos, alguns novos procedimentos foram incorporados no arsenal terapêutico. Vamos falar um pouco sobre alguns deles.
 
 
ONDAS DE CHOQUE - é um tratamento realizado com um aparelho específico para isto, que geralmente é indicado para tendinites calcificadas ou crônicas do ombro, cortovelo e pé (calcâneo). Muitos trabalhos na literatura mundial falam do seu benefício no tratamento, inclusive com trabalhos randomizados e prospectivos. Acho um caminho interessante para alguns casos (como as tendinites calcificadas), porém pessoalmente não uitilizo em meus pacientes. O custo é relativamente elevado - ao redor de 800 a 1.000 reais por aplicação (preços médios para a cidade de São Paulo)
 
 
ACUPUNTURA - é muito usada para o tratamento de tendinites, e tem os seus seguidores. Nas patologias crônicas tem pouco resultado, pois nesta fase geralmente o tendão já se encontra com mudança na sua estrutura celular. Para as lesões agudas é um tratamento interessante para aliviar a dor e fazer com que o paciente suporte melhor um tratamento fisioterápico.
 
 
TOXINA BOTULÍNICA - é um tratamento recente, usado principalmente para epicondilite lateral do cotovelo em pessoas que não praticam esportes. Não aconselho o tratamento, apesar de alguns trabalhos da literatura mundial falar do benefício num curto prazo. O princípio é o de você bloquear a atividade muscular na região do tendão acometido, fazendo com que a lesão cicatrize espontaneamente.
 
 
INFILTRAÇÃO COM CORTICÓIDES - esta é um terapia muito difundida, mas que infelizmente não encontra respaldo na literatura médica em termos de cura da lesão. Todos os trabalhos que temos com relação a melhora da lesão são trabalhos que deixam muito claro que as melhoras ocorrem por um curto intervalo de tempo - dificilmente os trabalhos que falam a favor da infiltração com corticóides demonstram seguimentos clínicos maiores do que 1 ano. Por outro lado, na parte de estudos científicos básicos, já está mais do que provado que o corticóide afeta o tenócito, a célula principal que compõe os tendões. Pessoalmente eu reservo as infiltrações para as bursites de ombro somente, não realizando diretamente nos tendões.
 
 
CIRURGIA - como quase tudo em ortopedia, a cirurgia no caso das tendinopatias tem a sua indicação, mas esta deve ser muito precisa e cada tendão tem o seu enfoque. O conceito da cirurgia deve englobar a ressecção de tecidos desgastados aliado a promoção de uma melhor vascularização no local, para que a cicatrização se dê da melhor forma possível. Em alguns casos, como temos que ressecar muito tecido no tendão, temos que fazer transferências tendinosas para dar um reforço no tendão, para que ele não fique mais frágil. Hoje em dia a colocação de fatores de crescimento derivados de plaquetas (processados a partir do sangue do próprio paciente) melhoram a cicatrização tecidual, e são um importante campo de pesquisa que está se abrindo na literatura médica mundial. Os estudos ainda estão no início, mas são promissores na area de medicina esportiva. Nos últimos 24 meses tratamos 20 casos com esta técnica, que tinham indicação de cirurgia para correção, e em 18 deles os atletas voltaram a jogar sem precisar do procedimento.

 
Abraços a todos e bons jogos
 
 
Dr. Rogério Teixeira da Silva
Ortopedista e Médico do Esporte


FONTE: TENISPROSHOP.COM.BR

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Sweet Spot

 

Sweet Spot

 

Sweet Spot ou "Ponto Doce" de uma raquete, é uma determinada área ovalada próxima a região central das cordas. 

É onde deveríamos e gostaríamos sempre de bater e rebater as bolas!

Fazendo uma analogia, é o "chute na veia" do futebol. ·

Note que quando batemos a bola fora deste Sweet Spot, o aro tende a produzir efeitos indesejáveis como torção e vibração exagerados. Esses efeitos repetidos por algum tempo, podem causar inúmeros incômodos ao braço, entre eles o temido Tennis Elbow

Portanto, jogadores recreacionais devem usar de preferência, raquetes com grande Sweet Spot, geralmente encontrados nas raquetes de perfil largo, com menor número de cordas e maior área de cabeça. 

Fonte: tenisproshop

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Identifique seu swing !!



Swing

É o movimento de braço e corpo que o tenista faz ao rebater a bola.

Em geral nato de um indivíduo, o tamanho do swing pode ser modificado durante sua carreira tenística, mas o mais comum é que ele mantenha seu desejo natural de fazer tal movimento.

O tamanho do swing modificado forçadamente, ao longo de uma carreira, pode trazer alguns incômodos físicos. Portanto, se você não tem pretensões profissionais, fique com aquele que a natureza lhe definiu.

Obviamente muitos principiantes não sabem ler o próprio swing. Nesse caso sugerimos o seguinte exercício:

Com uma raquete de tênis empunhada na mão, peça para alguém lançar uma bola de tênis a um metro de distância do seu corpo. Tente rebatê-la! Independente de acertá-la ou não, o curso da raquete em espera até a finalização do golpe, define o tamanho do swing. A partir dai, tente identificá-lo em uma das três figuras abaixo.

Ah! Não tem a raquete e a bolinha de tênis! Então simule a mesma situação com um pedaço de madeira de aproximadamente 70 centímetros de comprimento e 300 gramas de peso, e tente rebater uma bolinha qualquer.

Um swing pode ter "n" tamanhos. Mas para facilitar, vamos dividi-los em três grupos:

 

  

 

Aos jogadores que se enquadram na categoria "swing curto", sugerimos buscar as raquetes geradoras de velocidade de bola, compensando assim seu curto movimento.

Esta característica de velocidade de bola pode ser encontrada nas raquetes de perfil largo, área de cabeça maior, menos cordas (veja potência/controle), comprimento longo, equilíbrio deslocado para a cabeça ou equilibradas e de menor flexibilidade.

Aos da categoria "swing longo", sugerimos as raquetes geradoras de controle de bola. 

Essa característica de controle de bola é comum nas raquetes de perfil fino, área da cabeça menor, mais cordas (veja potência/controle), comprimento padrão, equilíbrio deslocado para o cabo ou equilibrada e mais flexíveis.

E, aos jogadores com swing médio, bastante comum aos tenistas brasileiros, vamos sugerir as raquetes com boa relação velocidade/controle de bola. Ou seja, as de perfilárea de cabeça, número de cordas (veja potência/controle), comprimentoequilíbrio e flexibilidade intermediários.

Considerações gerais.

É muito importante saber que, tentar adaptar seu swing a uma determinada raquete é um erro grave. Isso pode afetar sua evolução em quadra e a saúde de seu braço. O correto é encontrar uma raquete que se adeque ao seu swing.

Não menos importante é saber que, o tamanho do swing não representa necessariamente a qualidade de um jogador. Como exemplo, podemos afirmar que não são poucos os profissionais com swing curto e principiantes com swing longo.

É possível uma raquete ser adequada a dois tamanhos de swing! Mas, use isso como recurso e não como regra. 

Veja o exemplo:

Uma raquete para jogadores com swing médio, pode ser usada por outro com swing curto, desde que se use recursos para aumentar a velocidade de bola, como cordas finas e baixa tensão.

A mesma raquete (para jogadores com swing médio) também pode ser usada por jogadores com swing longo, bastando usar cordas grossas e tensão maior.

Agora veja o resumo de todas as possibilidades:

Jogadores com swing curto podem usar raquetes para swing médio (com cordas finas e baixa tensão).

Jogadores com swing médio podem usar raquetes para swing curto (com cordas grossas e alta tensão).

Jogadores com swing médio podem usar raquetes para swing longo (com cordas finas e baixa tensão).

Jogadores com swing longo podem usar raquetes para swing médio (com cordas grossas e alta tensão).

É da união do "seu swing & raquete ideal" que nasce o prazer de jogar e evoluir no tênis.

Persistindo a dúvida, fale com o Jairo.

 Fonte: TenisProShop

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Night Tennis - Recreio Cruzeiro.

Muito Chopp, bifes do Fellippis,  DJ, jogos de duplas até a madrugada.....
Não perca, ingressos limitados na secretaria.
R$ 40,00 sócios e R$ 50,00 não sócios.
Não sócios devem ser indicados por um sócio.
Os bifes serão servidos após as 23hs, convém se alimentar previamente.
Levar tubo de bolas, não precisa dupla formada, não é torneio, é tudo na hora....

Um abraço.

Marcos Paulo Pereira
Departamento de Tênis


Clube Aquarius de Flores da Cunha, investindo no tênis.

     O torneio de Flores da Cunha do CTSG (Circuito de Tênis da Serra Gaúcha) será em maio e a Sociedade Recreativa Aquarius está trabalhando muito para apresentar no evento,  as novas quadras cobertas.

     Não deixe de prestigiar o torneio e as novidades que estão por vir !!!! (Acompanhe neste blog)
    
     O torneio contará com 3 quadras abertas, duas cobertas e dependendo da necessidade, poderá utilizar as duas quadras municipais (CEMEL). Todas de saibro.

    

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Escola de Tênis Guga chega a Caxias do Sul



A franquia, que abrange adolescentes de 11 a 15 anos, já está com inscrições abertas

A academia Bohrer Sports traz para Caxias do Sul a Escola de Tênis Guga, para adolescentes de 11 a 15 anos. As aulas contemplam quem nunca teve contato com o esporte e também nível competitivo. O coordenador do projeto, Paulo Roberto Rubira Junior, e o diretor da academia, Eduardo Bohrer, participam de um treinamento específico sobre o novo método de ensino entre 25 e 29 de janeiro, em Florianópolis - SC.

De acordo com Rubira, a ideia de trazer a franquia para Caxias do Sul surgiu da necessidade de um método de ensino de alto nível de tênis na região da Serra Gaúcha. A academia, que em 2015 trouxe para a cidade a franquia da Escolinha Guga, para crianças de cinco a 10 anos, agora traz o projeto para adolescentes, ainda inédito no Brasil, com o intuito de ter um padrão continuado de excelência na formação de tenistas.

As aulas da Escola de Tênis Guga serão divididas em turmas por idade e nível do adolescente. As inscrições já estão abertas.

Escolinha Guga

A Bohrer Sports é uma das 26 unidades de franquia da Escolinha Guga no Brasil. Em 2015, a academia foi a instituição que mais matriculou alunos no país – aproximadamente 92 crianças, de cinco a 10 anos.

A escolinha possui uma metodologia lúdica, ou seja, por meio de brincadeiras e diversão, os alunos aprendem a jogar tênis. De acordo com Rubira, que também é coordenador da escolinha, a preocupação da Bohrer é com a formação não somente como atleta. “O que nos diferencia é exatamente isso, a criança não tem tanto interesse nas técnicas, elas querem brincar, por isso muitas acabam se afastando do esporte”, explica o profissional de educação física.

A Escolinha Guga também é dividida em turmas por idade. Cada turma tem dois professores e, aproximadamente oito alunos. As inscrições também estão abertas

Nasce uma atleta

A tenista mirim, Amanda de Oliveira, 10 anos, que iniciou o ano de 2016 conquistando as quatro etapas disputadas no Circuito Brasileiro de Tênis, nas cidades de Londrina e Arapondas, PR; e Florianópolis, SC, é aluna da Escolinha Guga Bohrer Sports.

A menina começou a treinar na academia quando tinha sete anos e ingressou na Escolinha Guga assim que a franquia foi trazida para a Bohrer. Amanda já participa de torneios e, até hoje, contabiliza 48 títulos.

Fonte:
Dinâmica Comunicação Empresarial
Assessoria de Imprensa – Bohrer Sports

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Quando o “jogo” pode matar o “jogar” !!



jogo é uma palavra polissêmica! O jogo pode ser o  “brincar” quando as crianças estão jogando (na escola, numa queimada ,etc.). Este “jogar” podem ter vários sentidos: auto-organização, imaginação, gratuidade, etc. O jogo pode ser o “praticar uma atividade”, como por exemplo, jogar bola, jogar tênis, jogar dominó, etc. O jogo também é uma partida de tênis: “ganhei ou perdi meu jogo”.  Quando uma palavra tem vários sentidos, enxerga-se as possibilidades, limitações ou ambiguidades. Para dar um exemplo especifico ao tênis: Eu posso jogar (uma partida) sem jogar (brincar), eu posso perder meu jogo (a partida)  jogando bem (nível de jogo), ganhar meu jogo (a partida) sem jogar (sem ficar exigido do adversário)! Vamos entender melhor e ver quais são as dicas para os - See more at: http://www.tennis-academia.com/quando-o-jogo-pode-matar-o-jogar/#sthash.e1IEuxjU.d
Fonte: Facebook - Tennis Academia / Apaixonados por tênis


segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

2. Etapa do CTSG - Farroupilha

     Os departamentos de tênis da nossa região estão se movimentando !!!!






      O Giovana Campo Clube de Farroupilha/RS, fundado em 06 de Fevereiro de 1982 possui quatro quadras de saibro e uma quadra rápida.
 
      O Giovana Campo Clube fica situado à Rua Bortolo Grendene, 545 na cidade de Farroupilha/RS.
Tel: (54) 9101-6263
 





Paredão: meu melhor amigo


     Prezados amantes do tênis, hoje retorno para falar sobre dicas para iniciantes. Uma das coisas que a maioria dos iniciantes perguntam é sobre a utilização do “paredão” para o treinamento.
     Digo que o “paredão” poderá ser seu melhor amigo, sabendo usá-lo. Digo sabendo usar porque vejo muitos indo para o paredão na tentativa de furá-lo com pancadas e mais pancadas, sem um objetivo determinado e muito menos preocupado com a técnica. Má notícia, se você busca treinar potência no paredão, talvez não seja o melhor lugar. Primeiramente porque você perde a noção de profundidade, ou seja, você não consegue saber se suas bolas entrariam caso estivesse na quadra. Segundo, quanto mais forte você bate na bola, mais rápida a bola volta e isso dificulta a continuidade do treino (exceto se você está treinando timing de bola rápida que não vem ao caso pois estamos falando de iniciantes).
     Bom, isto posto, sabendo que a regularidade é umas das coisas mais valiosas nesse esporte, você poderá evoluir muito no tênis seguindo as orientações que darei aqui. Claro, antes de ir para o paredão é importante que você tenha consciência da técnica dos movimentos básicos devidamente aprendida com Professores* de Tênis (Profissionais de Educação Física). A partir daí você poderá se beneficiar muito com esse parceiro de treino fazendo o seguinte:

1) Faça exercícios de aquecimento para todo o corpo antes de iniciar a prática;
2) Exercícios de alongamento são bem-vindos desde que sejam dinâmicos (os estáticos causam perda de força);
3). Aqueça especificamente os golpes básicos (golpes de direita – forehand – e golpes de esquerda – backhand) mantendo uma distância ótima da parede. Esta distância deve ser uma que você consiga controlar a bola até umas dez trocas sem errar, isto é, que você mantenha a bola acima da linha da rede e depois dela tocar apenas uma vez no solo, você consiga retorná-la para a parede.
4) Afaste-se um pouco mais (de 2m a 4m) e estabeleça um desafio ótimo (nem muito difícil nem muito fácil) de trocas sem errar. Para saber a quantidade de trocas sem errar ideal procure fazer três tentativas e faça uma média das três. Por exemplo: na primeira você conseguiu trocar 10, na segunda 4 e na terceira 7, sua média será 7. (21 / 3 = 7) 
5) aí vem o desafio: Cada tentativa vale um ponto, toda vez que você alcançar 7 trocas sem errar ponto seu, toda vez que você errar antes de alcançar 7 trocas ponto do fantasma. Procure guardar a técnica e seja honesto consigo mesmo, guardando a distância que estabeleceu no passo anterior.
6). Reavalie a dificuldade, se estiver muito fácil, ou afaste-se da parede ou aumente o número de trocas.

Bom jogo! Grande abraço

Texto retirado da coluna do Rodolfo Silva do site http://www.breakpointbrasil.com.br

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Calendário 2016 - Circuito Tênis Serra Gaucha



A corrida pela conquista da taça Vêneto Mercantil irá começar !!!!!!

Na temporada de 2016, teremos o retorno do município de BENTO GONÇALVES, representado pelo Clube Caça e Pesca.

Serão 10 etapas pelas cidades da serra gaúcha e com encerramento no Clube Cruzeiro, com a etapa MASTER, em dezembro.

SE PROGRAME !!!!





1 CAÇA E PESCA 18 a 21 fev 26 a 29 fev


2 GIOVANA 10 a 13 mar 17 a 20mar


3 RECREIO CRUZEIRO 07 a 10 abri 14 a 17 abr


4 AQUARIUS 12 a 15 mai 19 a 22 mai


5 BOHRER 09 a 12 jun 16 a 19 jun


6 TENIS PADEL VACARIA 01 a 03 jul 07 a 10 jul


7 RECREIO JUVENTUDE 04 a 07 ago 18 a 21 ago


8 JUVENIL 08 a 11 set 15 a 18 set


9 ANDREOLA 29 set a 02 out 06 a 09 out


10 ASSOC SÃO MARCOS 27 a 30 out 03 a 06 nov


MASTER 02 a 04 de Dez

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

A importância da avaliação física antes da prática de tênis.

Antes de iniciar a prática de qualquer tipo de exercício físico, em especial o tênis, 
é extremamente importante realizar uma avaliação física.



     O SEDENTARISMO É CONSIDERADO um dos principais fatores de risco para o desencadeamento de doenças do coração. Dessa forma, a inserção de exercícios físicos regulares tem sido cada vez mais estimulada por campanhas de saúde e por especialistas.

       Porém, antes de iniciar a prática de qualquer tipo de exercício físico, em especial o tênis, é extremamente importante que as pessoas realizem uma avaliação física (o famoso check-up) com um médico cardiologista para prevenir possíveis problemas desencadeados durante a prática.

       Entre vários exames que o médico solicita de acordo com o indivíduo, o teste de esforço (ergométrico ou ergoespirométrico) é um dos mais importantes, pois consegue detectar possíveis alterações cardíacas frente ao esforço máximo. Entre as várias alterações encontradas no teste de esforço, a obstruções das artérias coronárias – que podem levar ao infarto agudo do miocárdio – e arritmias – que podem levar à parada cardíaca – são as mais prevalentes. A partir do resultado desse teste e dos outros exames solicitados, o médico pode liberar a prática de exercícios físicos e a pessoa deve levar o atestado para apresentar ao treinador.

Risco

      No entanto, hoje, vários clubes e academias liberam a população à pratica de exercícios físicos e às aulas de tênis sem atestado – ou então deixam a pessoa iniciar o treinamento antes de entregar o documento obrigatório. Isso pode ser perigoso, pois grande parte dos infartos e paradas cardíacas são desencadeados pelo exercício físico, principalmente de alta intensidade.

      Durante a realização de exercícios intensos, os batimentos cardíacos e a força de contração do músculo cardíaco se elevam muito, aumentando as chances de desencadear problemas graves quando há alguma doença cardíaca presente. O tênis é classificado como esporte de alta intensidade e pode ser muito perigoso se não forem tomados cuidados.

       Por esse motivo, é de extrema importância que o indivíduo se consulte com um cardiologista antes da prática do tênis ou outra atividade física complementar. Além disso, esperamos que as academias sejam mais rigorosas com relação à obrigatoriedade do atestado médico. Dessa forma, os praticantes de tênis terão maior segurança, livrando-se  de possíveis problemas que possam acontecer dentro da quadra.

      Estou encaminhando para a diretoria do CTSG (Circuito de Tênis da Serra Gaúcha) documento solicitando a obrigatoriedade na apresentação de ATESTADO MÉDICO antes da efetivação da inscrição de qualquer atleta de qualquer categoria para todas as etapas. Será solicitado também esforço para termos nas etapas, pessoal e equipamento disponível para apoio nos primeiros socorros. 

      Por isso, contribua para não termos incidentes nos próximos anos, ou se tivermos algum, que possamos ajudar de alguma forma.

      Pelo código do consumidor e dependendo da interpretação judicial, uma morte em academia ou exercícios sob orientação de assessoria esportiva tem a responsabilidades do proprietário, do executor dos exercícios e do médico que atestou a liberação. No atestado, o médico deve deixar claro se o paciente não tem contraindicações para atividade física, qual o tipo de exercício adequado, se a atividade deve ser feita sob prescrição ou acompanhamento médico ou se está proibido de praticar exercícios. É recomendável também informar as limitações clínicas existentes e determinar a frequência cardíaca mínima e máxima no exercício.


FAÇA SEU CHECK-UP e .....

 !!!!!!!!!!!BOAS FESTAS !!!!!!!!!!!



terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Calendário 2016 Seniors ITF disponível

     Foi divulgado na tarde desta segunda-feira, o calendário do Circuito Seniors 2016.

     A primeira competição em solo brasileiro será o ITF Seniors de POA/RS, que será disputado entre os dias 24 (quarta-feira) a 28 de fevereiro (domingo).

     A competição contará pontos como um evento G2, tanto para o ranking Nacional – CBT, como para o Internacional – ITF.

     Esta é a principal novidade, algumas competições serão disputadas desta forma.



Vejam também o calendário INFANTO JUVENIL no link:

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Recreio Cruzeiro lança sistema de reservas de quadras

     O departamento de tênis do Clube Cruzeiro, de Caxias do Sul, disponibilizou para seus associados o sistema automatizado para reservas das quadras de tênis.
     O sistema pode ser acessado por sócios do clube e todas as regras definidas no regulamento foram adaptadas no sistema e a expectativa é que ocorra maior harmonia e praticidade na utilização da estrutura.













terça-feira, 15 de dezembro de 2015

História do Tênis no Brasil

A chegada do tênis ao Brasil


     Com a vinda dos ingleses para o Brasil no fim do século XIX para atuarem no processo de urbanização de São Paulo e Rio de Janeiro, eles não trouxeram apenas uma bola de futebol em suas bagagens. Junto, vieram algumas raquetes e bolinhas para jogarem tênis, ou seja, o esporte desembarcou por aqui no mesmo período em que o futebol.

     É assim que foi escrito pelos técnicos e engenheiros das empresas Light e a São Paulo Railway.

    Em 1892, o clube do São Paulo Athletic Club, fundado por ingleses, inaugurou as primeiras quadras de tênis brasileiras. Outros clubes do estado paulista também começaram a construir suas quadras, assim como clubes do Rio Grande do Sul.

     No ano de 1904, foi realizado um torneio interclubes com atletas do São Paulo, do Tennis Club de Santos e do Paulistano.


     No estado do Rio de Janeiro, somente o Fluminense tinha quadras de tênis e somente em 1916, o clube do Country Club, inaugurava suas quadras e apostava no esporte também.

     O primeiro campeonato estadual disputado no Brasil, foi em São Paulo, em 1913, do qual, só seria conquistado por um brasileiro chamado Maercio Munhoz, em 1918, cinco anos depois da criação da competição que até então havia sido conquistada por atletas ingleses.

     Em 1924, clube como o São Paulo Tênis Club acompanhado de mais nove clubes, fundaram a Federação Paulista de Tênis. Seis anos mais tarde a entidade já tinha 23 clubes filiados.

     Em 1932, o Brasil estreava na Copa Davis com o melhor tenista brasileiro da época, Nelson Cruz, acompanhado de Ricardo Pernambucano, outro atleta de destaque na época.

     Em 1938, o tenista brasileiro, Alcides Procópio, estreava em Wimbledon, na Inglaterra, marcando a primeira participação do Brasil nesta competição. Foi ele também o primeiro campeão brasileiro, em 1943, derrotando na final seu rival, Maneco Fernandes.


De Esther Bueno à Guga Kuerten



     No dia 19 de novembro de 1955, com a criação da Confederação Brasileira de Tênis, o Brasil começava a acompanhar a evolução do tênis no mundo e teve grande desenvolvimento. Novas quadras eram construídas e tenistas campeões começavam a surgir no Sul e Sudeste do país. Os gaúchos começavam a se destacar e entrar no cenário que até então pertencia somente aos paulistas e cariocas que já eram consagrados na época.

     De todos os talentos que tinham naquela época, Maria Esther Bueno, a maior tenista brasileira de todos os tempos, conseguiu um feito inédito em ser a número um do mundo nos anos de 1959, 1960, 1964 e 1966. Entre tantos títulos conquistados por ela, o destaque fica para os oito campeonatos vencidos em Wimbledon e o tetra campeonato no US open, o Aberto dos Estados Unidos.



     Alguns outros talentos no masculino, nesta mesma época, marcaram histórias, como foi no caso de Thomas Koch e Carlos Alberto Kirmayr.


     Já na década de 1990, surgia o tenista Luiz Mattar, Cássio Motta, Fernando Roese e um pouco mais adiante Jaime Oncins foram os principais atletas até o meio desta década. Na segunda metade, o argentino naturalizado brasileiro, Fernando Meligeni, conhecido como "Fininho", também conseguiu alguns feitos. Um deles foi a conquista da medalha de ouro nos Jogos Pan-americanos de Santo Domingo, na República Dominicana.

     Em 1996, um catarinense, alto, desengonçado e de cabelos longos chamado, Gustavo Kuerten, começava a aparecer no cenário mundial. Em 1997, Guga, como é chamado, conquistou e entrou para a história do tênis brasileiro e mundial ao conquistar o Grand Slam de Roland Garros, na França. Esta façanha se repetiria nos anos de 2000 e 2001, o que o tornou tri campeão da competição.


     Depois de Guga, o Brasil ainda procura um outro grande ídolo. Porém, enquanto ainda não aparece este tenista, o país continua crescendo como esporte e cada vez mais ele vem sendo praticado por novos jovens.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
- LIVRO: Almanaque dos Esportes, Editora Europa, 2009.
- LIVRO: A História dos Esportes, Orlando Duarte, 4ª ed. Editora Senac, SP, 2004.
- LIVRO: O Guia dos Curiosos: esportes 3ª ed. Marcelo Duarte, Editora Panda Books.
- LIVRO: Fique por Dentro – Esportes Olímpicos, Benedito Turco. - Rio de Janeiro. Casa da Palavra: COB, 2006.
- LIVRO: O que é tênis, Silva Silveira, Armando Freitas. – Rio de Janeiro: Casa da Palavra: COB, 2009.
- SITE: Confederação Brasileira de Tênis – http://www.cbtenis.com.br/
- SITE: Federação Internacional de Tênis - http://www.itftennis.com/
- SITE: Federação Paulista de Tênis - http://www.tenispaulista.com.br/

FONTE: TRAVINHA COMUNICAÇÕES