Notícias da hora

Loading...

sábado, 4 de julho de 2015

Número de fãs de tênis dobra no Brasil

     Pesquisa do IBOPE Repucom aponta que o número de superfãs de tênis dobrou no Brasil e passou de 14%, em outubro de 2014, para 29%, nesta última edição do levantamento. 
 
     Entre os que se dizem muito interessados pela da modalidade, 54% são homens, sendo que 36% têm mais de 40 anos, 47% possuem nível superior e 23% ganham mais que R$5.241 por mês. 
 
Número de fãs de tênis dobra no Brasil, segundo IBOPE Repucom 

     Quando questionados sobre os torneios de tênis, 54% dos fanáticos pelo esporte disseram ter muito interesse em Roland Garros, enquanto 44% mencionaram gostar do torneio de Wimbledon. 

     Entre o total de usuários da internet, o interesse é de 20% e 17%, respectivamente.

     “Já comprovamos que a popularidade de todo esporte depende de alguns pilares, como a existência de um ídolo, que exerce o papel de embaixador de determinada modalidade. Por isso, esperamos que a recente conquista do Marcelo Melo – que acaba de vencer o torneio de duplas de Roland Garros – contribua para o aumento do número de fãs de tênis nas próximas edições da pesquisa”, afirma José Colagrossi, diretor do IBOPE Repucom.

     Atualmente o Brasil conta com 2 ATPs, um 250 e um 500 e 2 WTAs Internationals que ajudam a divulgar o esporte também.

     Realizada em abril de 2015, o Sponsorlink, maior pesquisa especializada em esporte do mundo e que está presente em 12 países, representa a população de internautas brasileiros e considera superfãs aqueles que declaram ter “muito interesse” pelos temas abordados. Para esta pesquisa, foram entrevistados 1.000 internautas.

Fonte: Tennisview (modificado)

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Caxiense Demoliner jogando chave principal em Londres


Caxiense Marcelo Demoliner estreia com vitória na chave de duplas em Wimbledon arquivo pessoal/divulgação
Demoliner venceu a primeira da carreira em Grand Slam Foto: arquivo pessoal / divulgação
 
 
Fonte: Jornal Pioneiro
 
Após passar pela etapa de qualificação, o caxiense Marcelo Demoliner e o neozelandês Marcus Daniell avançaram nesta quarta-feira para a segunda rodada da chave de duplas em Wimbledon. Foi a primeira vitória do tenista brasileiro de 25 anos em um Grand Slam. Eles bateram o holandês Robin Haase e o francês Benoit Paire por 3 sets a 0, parciais de 6/3 7/6(7/4) e 6/1, em 1h44min.

Na próxima rodada, ainda sem data e horário confirmados, Demoliner e Daniell vão enfrentar o espanhol Guillermo Garcia-Lopez e o tunisiano Malek Jaziri.

Atual 88º colocado no ranking de duplas, o caxiense está jogando Wimbledon pela terceira vez. Em 2013, atuou com o brasileiro André Sá e acabou eliminado pelos irmãos Bryan na primeira rodada. No ano passado, jogou com o indiano Purav Raja.

Demoliner e Daniell chegam ao Grand Slam após dois bons resultados em challengers na grama, com vice-campeonato em Surbiton e título em Ilkley. Na chegada a Wimbledon, eles tiveram que disputar o qualificatório e perderam na rodada final, mas entraram na chave como lucky-losers.

terça-feira, 30 de junho de 2015

Taça Vêneto Mercantil


     A taça Vêneto Mercantil é prêmio máximo que um clube, filiado ao Circuito de Tênis da Serra Gaucha, pode atingir.
     
     É um troféu itinerante, que fica de posse do clube atual campeão do circuito.


     Os campeões até agora foram:

2006 - GIOVANNA CAMPO CLUBE - Farroupilha 

2007 - RECREIO CRUZEIRO - Caxias do Sul  

2008 - BOHRER INDOOR - Caxias do Sul  

2009 - CLUBE JUVENIL - Caxias do Sul

2010 - CLUBE JUVENIL - Caxias do Sul

2011 - BOHRER INDOOR - Caxias do Sul

2012 - BOHRER INDOOR - Caxias do Sul

2013 - RECREIO CRUZEIRO - Caxias do Sul

2014 - CLUBE JUVENTUDE - Caxias do Sul




** Taça Vêneto Mercantil foi patrocinada pela empresa Vêneto Mercantil, de Flores da Cunha. ( http://www.venetomercantil.com.br/ )

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Aberto de Vacaria - ATUALIZAÇÃO





     Aviso aos tenistas !! Já está aberto as inscrições para a etapa do circuito de tênis da serra gaúcha que ocorrerá na cidade de Vacaria no mês de julho , sendo que as categorias que iniciarem no primeiro final de semana já irão ser encerradas no mesmo, não havendo a necessidade de vir duas vezes, a menos que optem por se inscrever em mais de uma categoria !!!

     As inscrições deverão ser efetuadas pelo site www.ctsg.com.br, quem não for cadastrado é fácil e rápido , contamos com a presença de todos, corre que haverá limite de inscritos por categoria , qualquer esclarecimento estou a disposição, um abraço !!!



Houve uma prorrogação na data de inscrição para 1ª CLASSE SM da Etapa Vacaria CTSG, sendo assim a mesma será no segundo final de semana da competição.

Categorias do segundo final de semana (1ª SM, 2ª SM, 4ª SM, 35 A, 2SF, 55 anos) poderão se inscrever até dia: 05/julho, pois os jogos serão realizados a partir do segundo final de semana que será dia 11 e 12 de julho.

As categoria 12 anos mas e fem estão abertas e poderão se inscrever para o primeiro final de semana, onde as inscrições encerarão neste domingo dia 28.

Att

Adm CTSG

segunda-feira, 22 de junho de 2015

10 lições de vida que eu aprendi jogando tênis por @GabrielReynard


Fonte: @GabrielReynard



     Eu comecei a jogar tênis muito cedo, devia ter uns 5 anos de idade quando entrei na escolinha. Na minha família todos jogam, meu pai é viciado, minha prima quase foi profissional, meus tios jogam, minha mãe já jogou e todos meus amigos jogavam, comigo não seria diferente.
     Desde então eu desenvolvi uma paixão muito grande por este esporte, mas também sentia raiva por não saber fazer outra coisa, como jogar futebol ou andar de moto por exemplo.
      Os anos se passaram e eu continuo jogando tênis, já fazem 20 anos. Nesse tempo, aprendi muito através do esporte e evolui como pessoa, passei por cada fase da minha vida jogando tênis e isso contribuiu muito para minha formação.
     Sendo assim, optei por compartilhar o que eu aprendi em 20 anos de tênis que me ajudaram a ser uma pessoa melhor, assim quem sabe posso inspirar você a começar jogar também:

1. A prática leva à perfeição

Quando eu comecei jogar eu era muito novo e impaciente, queria logo acertar a “bolinha” e ganhar. Era meu objetivo, mas percebi que não seria possível conquistá-lo se eu não praticasse mais, visto que haviam outros colegas que jogavam melhor que eu.
Isso por si só já me deixava bravo, eu era extremamente imediatista e não aceitava a ideia de que levaria tempo até eu ficar bom em algo, a minha visão era: “tênis é só bater a raquete na bolinha, qual o segredo?”.
Nem de perto tênis é isso, o esporte é muito mais complexo do que parece e surpreende todos que tentam pela primeira vez. Isso me impactou e trouxe uma motivação extra pra mim, a de ficar bom logo para que eu pudesse ganhar de outras pessoas.
Aprendi portanto que praticar é o melhor caminho para atingir a perfeição, e que a perfeição é constante, infinita. Comecei a treinar 4 dias por semana e jogava o máximo que podia, com amigos, família e amigos da família.
O resultado era visível, a cada jogo eu me sentia mais confiante e forte, os adversários percebiam isso e eu fui (com os anos) me tornando um adversário cada vez mais “casca grossa”.



2. O objetivo não pode ser vencer, mas sim evoluir

Lembra que eu disse que meu objetivo era vencer? Então, eu descobri que é errado pensar assim. Antes de querer vencer é preciso querer evoluir.
No tênis os objetivos tem que ser gradativos, um pouco de cada vez. Você começa querendo melhorar sua batida, depois a movimentação dos pés, seu saque, condicionamento físico, voleio e assim por diante. A cada evolução você se aproxima mais do objetivo “vencer”, que apesar de ser o cerne de uma partida de tênis não é algo tão relevante assim, visto que você pode perder um jogo mas sair de lá vitorioso consigo e feliz com o desempenho.
Já vi muitos jogos onde o atleta perde e é ovacionado pela arquibancada, tudo isso porque deu seu máximo na partida, protagonizou lances incríveis e acabou sendo (apesar da derrota) o grande vencedor do dia, aplaudido por todos, inclusive por seu adversário.
Esse “tesão” que o tênis proporciona não tem preço, saber que você evoluiu tecnicamente e tem jogado melhor é o grande objetivo de cada tenista.


3. Pensar antes de agir e de forma rápida fazem a diferença
O tênis me ensinou que a capacidade de raciocinar é muito importante, até mais que o seu condicionamento físico. Pensar e executar a jogada certa coloca o tenista em vantagem, por isso é tão importante o silêncio das arquibancadas em uma partida, para que o jogador possa se concentrar ao máximo e executar os melhores golpes.
Isso quer dizer que o tenista deve pensar o tempo todo no que irá fazer na partida, como vai se comportar perante o adversário e o que será preciso para fazer um bom jogo. Mas imagine agora fazer tudo isso em milésimos de segundos antes da “bolinha” chegar para você rebater?
É difícil, por isso sou muito grato ao tênis por ter me ajudado a desenvolver essa habilidade de pensar ates de qualquer movimento e de tomar decisões rápidas.



4. Você pode estar ganhando de lavada quando de repente…

Aqui vai um ensinamento importante que aprendi com o tênis, não há vitória antes do “apito final. Já joguei partidas em que estava ganhando por 4 x o quando de repente vi meu adversário crescer e virar o jogo, abalando totalmente minha confiança.
Isso aconteceu várias vezes!



Fiz uma partida uma vez com um garoto que estava com o braço quebrado, logo que o vi entrando em quadra pensei: “esse jogo tá na mão, o cara não tem como ganhar de mim com o braço desse jeito”. Mas foi exatamente o que aconteceu, ele entrou super confiante e foi “pra cima”, eu me assustei e acabei perdendo para o cara com o braço quebrado.
Não me conformo até hoje, mas aprendi na pele a importância de não subestimar um adversário.

5. Pequeno x Grande, Novo x Velho

Uma das coisas que eu mais gosto no tênis é que ele é um esporte social, onde crianças, adolescentes, adultos e mais velhos jogam. Um garoto de 16 anos pode facilmente ganhar de um adulto de 30 por exemplo, uma pessoa mais velha pode ganhar da mais nova, a garota pode ganhar do garoto e por aí vai.
É um esporte maravilhoso que faz com que pessoas de todos os tipos se envolvam com um único objetivo: jogar tênis e se divertir.



6. Aprenda a chorar, é normal e faz bem

Muitas vezes eu chorei após perder uma partida, eu queria ter vencido mas não consegui. É neste momento que “bate” aquela “deprê” em que você fica pensando no que poderia ter feito diferente, aonde você errou etc.
A verdade é que chorar meio que dá um alívio no peito, finalmente você conseguiu relaxar depois de uma partida tão tensa. É o melhor momento para erguer a cabeça, fixar bem nos pontos fracos e voltar lá para o tópico número 1, onde digo que praticar leva à perfeição.
Mas lembre-se, chorar de felicidade também é muito bom, vencer um torneio ou uma partida importante e cair no choro é descarregar as emoções e comemorar o feito, afinal, quem treina e se esforça para conquistar algo sabe o “gostinho” que uma vitória tem.



7. Cuide do seu corpo, você mora dentro dele

O tênis me ensinou que o nosso corpo é a nossa casa, portanto, é preciso se alimentar bem, cuidar da saúde, praticar esportes e atividades físicas, se divertir, descansar e manter um “lifestyle” saudável para que você possa se sentir melhor.
Um atleta profissional leva a sério isso, é um grande diferencial em competições. Mas se você é um atleta ocasional, como eu, o importante mesmo é se cuidar e tentar manter um vida saudável o máximo possível, evitando excessos.
E claro, jogar tênis sempre que possível!


8. Aproveite o networking que o tênis oferece
Tênis é de certa forma um esporte caro de se praticar, não é comum encontrar quadras disponíveis a população no Brasil, geralmente elas estão em clubes privados que nem todos tem acesso.
Eu nasci no interior e na minha cidade tênis é um esporte popular, há um clube especializado que reúne um bom número de associados, muitos deles da cidade e outros turistas de final de semana que vão para passear e jogar algumas partidas.
Muitos destes jogadores são empresários na cidade, comerciantes, funcionários públicos, executivos e profissionais liberais (médicos, advogados e dentistas por exemplo), o que faz do clube um excelente lugar para se fazer networking.
Eu mesmo fiz grandes amizades por lá e colho bons frutos desses relacionamentos até hoje. Sou muito grato ao tênis por ter feito bons amigos, pessoas que certamente vão agregar em minha vida e que no futuro poderei fazer negócios, contratar os serviços e até mesmo vender algo para eles.



9. Tudo depende somente de você

Apesar de ser um clichê, é a mais pura verdade. O tênis me ensinou que nesta vida tudo depende dos nossos esforços, de quanto realmente queremos algo.
É claro que a sorte, o networking e outros fatores podem contribuir para você alcançar seus objetivos, mas a grande verdade é que tudo o que você quiser conquistar depende unicamente de você, se quer ser campeão é preciso trilhar um caminho até este objetivo, se quer apenas melhorar seu jogo, é preciso força de vontade para ir praticar e assim por diante.
O tênis é um esporte que te ensina a ter disciplina, pois, te desafia constantemente para isso. Se você quer melhorar seu jogo precisa ter disciplina para ir treinar, se quer emagrecer, mesmo coisa.



10. Divirta-se

Aprendi com o tênis que mais importante que vencer uma partida é se divertir jogando ela. Isso não faz de você menos profissional ou então um adversário mais fácil, na verdade, faz de você uma pessoa melhor.
Como disse na lição 2, o objetivo não pode ser vencer, tem que ser alguma outra coisa que te leve a este caminho. Eu acredito que se divertir é o melhor deles, pense bem, quando você faz algo que te faz feliz a chance de você fazer isso bem feito é muito maior. Consequentemente a vitória ficará mais próxima.
E mesmo se você não ganhar, pelo menos você se divertiu, jogou com um amigo, deu risada dos seus erros e foi para a casa se sentindo bem, satisfeito em ter suado a camisa e feliz em ter jogado.
Esse é o espirito do tênis, um esporte extremamente competitivo mas que nos permite ser feliz em cada partida, pois, o que realmente importa é entrar em quadra e fazer um bom jogo.



Acabou…

Espero que tenham gostado deste texto e que de certa forma eu tenha inspirado você a jogar tênis, quem sabe não nos encontramos por aí para bater uma “bolinha”?

Leia meu blog, será uma honra recebê-lo!
Me segue no
Twitter!

Projeto Massificação do Tênis cresce e passa a ter oito núcleos

Em 2015, projeto pretende impactar 1.600 crianças

     O Projeto Massificação do Tênis, que visa difundir a prática do esporte em todo o Brasil, agora conta com oito núcleos: Araçariguama (SP), Itapevi (SP), Campinas (SP), Santana de Paranaíba (SP), Poá (SP), Araras (SP), Itanhaém     (SP) e Vila Velha (ES), inaugurado em maio. O Projeto Massificação do Tênis,   que desenvolve um trabalho junto a prefeituras, clubes e centros de treinamentos, é iniciativa do Instituto Tênis, instituição sem fins lucrativos que tem como objetivo apoiar o desenvolvimento do tênis nacional.

     Além do aumento do número de núcleos (de seis no final de 2014 para oito), este ano, o projeto pretende impactar 1.600 crianças de seis a 10 anos. Para isso, será realizado um trabalho junto às escolas públicas das regiões onde o projeto está instalado para selecionar aqueles alunos que gostem e se identifiquem com o esporte e levá-los a um ambiente profissional, conseguindo um melhor desenvolvimento.

     “Para que essas crianças se desenvolvam, tanto como cidadãos como futuros   profissionais, o Projeto Massificação do Tênis está fazendo parcerias com centros de treinamentos privados, como clubes e academias de tênis, para levá-los para treinar em ambiente profissional”, afirma Cristiano Borelli, diretor-executivo do Instituto Tênis.

     De acordo com o coordenador do Projeto Massificação do Tênis, Marcelo Motta, com um maior número de crianças participando do Projeto, tem-se também mais jovens se destacando no tênis e com potencial de progredir na carreira como tenista. “Além de contribuirmos para identificar novos e futuros talentos, queremos proporcionar uma oportunidade de desenvolvimento profissional para jovens carentes, seja com a carreira de treinador ou como atleta”, comenta Motta.
     Um importante diferencial do Projeto Massificação do Tênis é que, além de seguir diretrizes da Federação Internacional de Tênis (ITF) relativas aos materiais adequados à faixa etária dos atletas mirins, são utilizados avaliações, gráficos de desempenho, planos de aulas e estratégias de como abordar as crianças para ensinar o esporte. “Os materiais são apropriados tanto ao tamanho quanto ao peso e dimensões das crianças, o que facilitou o manuseio e, consequentemente, o prazer pela prática.     
     Outro ponto positivo foi o envolvimento dos professores, fundamental em todo o processo e extremamente positivo, pois para a maioria deles o tênis é uma novidade”, afirma Motta.
Aprovado junto ao Ministério do Esporte, com receitas provenientes da Lei de Incentivo ao Esporte e patrocínios privados, o projeto chega a Vila Velha com parceria com o academia NTênis. Em Poá, a parceria é com o projeto Gerando Falcões e em Santana de Parnaíba, com a Fundação Eprocad. Já em Campinas, o Projeto conta com o apoio da escola Alberto Medaljon, do Instituto Ricardo Mello e da Hípica de Campinas.

     Nas cidades de Araçariguama, Itapevi, Araras e Itanhaém, o projeto é desenvolvido junto às prefeituras, com a utilização de centros esportivos das cidades.
Além destes oito núcleos vinculados ao Ministério do Esporte, outros três núcleos têm o acompanhamento do Instituto Tênis, com orientações aos professores e acompanhamento do desenvolvimento das crianças. Eles estão localizados em Belém, Fortaleza e Brasília.
Ainda de acordo com o coordenador do Projeto, o objetivo de longo prazo é atingir 500 mil crianças. “Nossa intenção é levar a prática do esporte para todas as regiões do Brasil”, finaliza Motta.
Sobre o Instituto Tênis: Fundado em 2002, o Instituto Tênis é uma instituição sem fins lucrativos que apoia o desenvolvimento do tênis nacional. Reconhecido como centro de treinamento referência de atletas de alto rendimento, executa um planejamento diferenciado, com o objetivo de formar tenistas capazes de alcançar o posto de número 1 do mundo.  O Instituto conta com o patrocínio do Itaú, Vivo e da Fundação Lemann e co-patrocínio das empresas SAP, Braskem, PDG, KPMG, Alupar e Babolat. São empresas parceiras a SONNE, a FLOW e o INA. A instituição recebe apoio da Lei de Incentivo ao Esporte do Ministério do Esporte.


Mais informações para a imprensa:
Instituto Tênis

Note! Comunicação
Danieli Massone e Katiuscia Teodoro
imprensa@institutotenis.org.br
(11) 3796-9067

quinta-feira, 18 de junho de 2015

NOVIDADE - CLÍNICA DE TÊNIS - WTA - COSTÃO - FLORIPA - OSMOZE


     A terceira edição do WTA de Florianópolis, Brasil Tennis Cup, terá uma novidade. O torneio, que acontece entre os dias 25 de julho e 01 de agosto, será disputado pela primeira vez em quadras de saibro ao nível do mar no Costão do Santinho. As condições são favoráveis às tenistas brasileiras que terão a oportunidade de disputar um torneio da elite do tênis feminino mundial na corrida pela vaga nos Jogos Olímpicos Rio-2016.

     Durante a Clínica de Tênis, teremos o QUALI do torneio, mini-clínica para crianças com atletas que participarão do torneio e as principais atletas trocando bolas e experiências com os participantes da clínica !!!!  Será um momento único !!!!



    Após dois anos na sede da Federação Catarinense de Tênis, o torneio com premiação de US$ 250 mil acontecerá no Costão do Santinho Resort. As quadras duras também dão lugar ao saibro, piso preferido das brasileiras, o mesmo no qual Teliana Pereira conquistou este ano seu primeiro título WTA.


     “Foi muito importante no primeiro momento do evento ele vir para a Federação Catarinense. Mudamos para o Costão em função de estar muito claro para a gente a importância deste momento do tênis feminino no Brasil”, afirma Rafael Westrupp.

     Garantidas diretamente na chave principal sem a necessidade de convite ou qualifying, Beatriz Haddad Maia e Teliana Pereira aprovaram a mudança de local do torneio e acreditam que a nova casa será bastante favorável às brasileiras.

    “Eu gostei, é meu piso favorito, onde me sinto melhor e mais confiante. Será uma mudança que irá beneficiar as brasileiras esse ano”, afirma Teliana.

     Criado com o objetivo de recolocar o Brasil no mapa dos grandes eventos do tênis feminino mundial e assim desenvolver o tênis feminino brasileiro, o WTA Brasil Tennis Cup ajudou a melhorar o patamar do tênis brasileiro. Em 2013, antes da primeira edição, a número 1 do Brasil era a 116ª do ranking mundial, hoje é 76ª, uma grande evolução.

     Além de Bia e Teliana, o torneio ainda tem espaço para mais tenistas brasileiras, com Paula Gonçalves podendo entrar direto na chave como alternate, além dos três wild cards disponíveis para a organização. No qualifying, uma das vagas será da campeã brasileira sub-23 anos.

     Além das brasileiras, uma das estrelas deste ano em Florianópolis será a americana Bethanie Mattek-Sands, campeã de duplas do Australian Open e de Roland Garros neste ano, que integra o top 10 mundial de duplas da WTA.



     Como nas edições anteriores, o evento terá a presença de jovens estrelas da WTA, como a alemã Annika Beck, de 21 anos, que já tem um título WTA na carreira, conquistado o ano passado em Luxemburgo, a croata Ajla Tomljanovic, de 22 anos, que este ano fez sua primeira final de WTA.
Ao todo, o Brasil Tennis Cup tem 21 atletas de 14 países que estão garantidas diretamente na chave principal, com representantes de Alemanha, Argentina, Brasil, Cazaquistão, Croácia, Espanha, Estados Unidos, Japão, Luxemburgo, Paraguai, Polônia, Romênia, Rússia e Suécia. A lista de inscrição do qualifying se encerra no dia 7 de julho.

 Fonte: TenisBrasil (editado)



     Ainda dá tempo !!!!

     Consiga descontos e condições especiais !!!!  Faça parte do grupo da serra gaúcha e participe da clínica de tênis.

     Acesse o site www.clinicadetenis.com e veja maiores detalhes.



terça-feira, 16 de junho de 2015

A grama ao quadrado

Por José Nilton Dalcim - 14 de junho de 2015 às 21:19



     Depois de tanto tempo, enfim a ATP fez o que a maioria exigia e dobrou a importância da curta temporada sobre as quadras de grama. Embora apenas um novo torneio tenha sido criado, o de Stuttgart, que abandonou o saibro, o que valeu mesmo foi elevar Queen’s e Halle para a condição de ATP 500. Como nem tudo é perfeito, ainda não entendi por que manter os dois na mesma semana, dividindo as grandes estrelas e enlouquecendo os organizadores.

    Queen’s tem mais de 100 anos de história, não é um torneio qualquer. Sempre foi considerado o mais importante aquecimento para Wimbledon, e a partir de agora ficou ainda mais seletivo, já que a ATP forçou a redução da chave principal de 48 para 32 participantes, ao mesmo tempo que a bolsa saltou para 1,7 milhão de libras. Ficou tão absurdamente forte que o último a entrar direto foi o russo Mikhail Youzhny, 58º da lista de inscrição.

     Teremos jogos incríveis logo na primeira rodada, especialmente Stan Wawrinka contra Nick Kyrgios, ou seja, o 4 contra o 28. E o australiano é nada menos que o quadrifinalista de Wimbledon do ano passado. Também teremos Grigor Dimitrov, o atual campeão, contra Sam Querrey, vencedor em 2010. As quartas de final apontam para Wawrinka-Nadal e Dimitrov-Andy Murray, duelos que realmente poderão valer como excelente prévia para Wimbledon.

     Halle ficou um tanto mais fraco, nem tanto pelo ranking dos principais nomes mas pelo histórico menos expressivo na grama, caso de Kei Nishikori, Gael Monfils, Pablo Cuevas. Ainda assim é fácil ver que Roger Federer deverá ter trabalho se quiser chegar ao oitavo troféu: Kohlschreiber é freguês mas já ganhou o torneio; Stakhovsky tirou o suíço na segunda rodada de Wimbledon de 2013; Tomic conhece bem a grama;. e Berdych decidiu Wimbledon depois de tirar o suíço.

     Aliás, não pode passar batido o fato de que esta revigorada temporada de grama tem tudo para recuperar o interesse do público alemão pelo tênis, o que despencou ano a ano com a falta de um grande campeão. Stuttgart contratou Nadal e viu um sucesso incrível de audiência. Halle tem sempre Federer como maestro principal, garantia de casa cheia, além do ídolo Tommy Haas e da esperança Alexander Zverev.

     E Nadal? Cumpriu muito bem seu papel. Demorou para pegar ritmo nas primeiras rodadas, o que é absolutamente normal não só pela dificuldade natural do piso mas também por seu momento, e evoluiu até apresentações convincentes no sábado e domingo. Tudo bem, Gael Monfils e Viktor Troicki não têm currículo na grama. No entanto, a forma com que Rafa se impôs, trabalhando muito bem o saque e apostando nos voleios, reforça aquilo que eu previra após Roland Garros: mesmo não sendo o Nadal de antes, ele é bom o suficiente para qualquer top 20.

     Claro que ganhar Stuttgart não aumenta seu grau de favoritismo para Wimbledon. Terá de mostrar mais em Queen’s, onde possui duas boas primeiras rodadas para embalar. Pode ser impressão falsa minha, porém me pareceu que o espanhol tirou algumas libras de pressão das cordas – talvez esteja algo na casa das 48 ou 50 -, o que seria uma alternativa frutífera na ideia de ganhar peso e profundidade nos golpes de base e ainda maximizar o efeito topspin. De quebra, ainda poupa o braço.

terça-feira, 9 de junho de 2015

CTSG: Etapa Bohrer - Programação



Chaves para visualização.

Os jogos da semi-final da 55 anos ficaram com horários a definir, favor entrar em contato.

Jogadores que não se encontram na lista de espera podem estar inscritos na chave.

Confira em:

http://ctsg.com.br/Chaves/Index/4


Att

Adm CTSG

terça-feira, 26 de maio de 2015

Porto Alegre recebe a 2a etapa do Itaú Masters Tour 2015





Mais tradicional circuito de Masters do continente, retorna ao Rio Grande do Sul após cinco anos.

Vem aí a 2a etapa do Itaú Masters Tour 2015. O evento acontecerá entre os dias 29 e 31 de maio na Associação Leopoldina Juvenil em Porto Alegre, Rio Grande do Sul.

A capital gaúcha volta a ser palco do mais tradicional Circuito de Masters da América do Sul após cinco anos de ausência. A última vez foi em 2009.

Neste ano, o Itaú Masters Tour chega à Porto Alegre cheio de novidades! A primeira delas se refere à disputa da chave feminina, com a presença de grandes nomes do tênis gaúcho e nacional, sempre seguindo o critério para participar da competição que é ter mais de 30 anos e ter sido campeã brasileira, representante do Brasil na Fed Cup, em Pan-Americano, Olimpíadas ou Torneios ITF.

No feminino da etapa porto-alegrense estarão presentes duas gaúchas: Sabrina Giusto e Andrea Meister.

No masculino, onde os pré-requisitos são ter mais de 30 anos e ter sido campeão brasileiro, representante do Brasil na Copa Davis, medalhista em Pan-Americano, em Olimpíadas ou ainda ter sido finalista de ATP Tour, a chave, além de grandes atletas da história do tênis brasileiro, também contará com dois representantes do Rio Grande do Sul: Thomaz Koch e Alexandre Hocevar.

O Itaú Masters Tour ainda promove a disputa amadora entre os associados do clube sede. O Leopoldina Juvenil realizará a competição acima e abaixo de 40 anos, onde os campeões garantem vaga para a disputa Masters, no final da temporada, em novembro, no Club Med Rio das Pedras, em Angra dos Reis.

Os campeões do Pro-Am, disputa que reúne amadores e profissionais também leva os amadores campeões para Angra.

O início do Itaú Masters Tour está marcado para a próxima sexta-feira, dia 29 de maio. As semifinais serão realizadas no sábado e as finais no domingo pela manhã, com entrada gratuita para o público na Associação Leopoldina Juvenil- Rua Marques do Herval, 280, Moinhos de Vento.

Etapas 2015
Nesta temporada, o circuito de másters terá cinco etapas mais o Masters. Começou em Ribeirão Preto(SP), chega a Porto Alegre(RS) e depois segue para Rio de Janeiro(RJ), Brasília(DF), São Paulo(SP) e Angra dos Reis.


O site oficial do evento é o www.grupotry.com.br. O Itaú Masters Tour está presente no Twitter (@grupotry), Instagram (@grupotry) e Youtube (/grupotry1). A hashtag oficial da competição é #ItauMastersTour

Mais informações:
trypress@grupotry.com.br
Lia Benthien (48) 9915 6061 e Renan Justi (11) 9.9424-7448
liabenthien@liabenthien.com

10 Principais habilidades psicológicas no tênis.

Fonte: 
 

A CADA COMPETIÇÃO, OS ASPECTOS psicológicos são fundamentais para determinar os rumos de grandes decisões. São nesses momentos que se manifestam positiva ou negativamente essas questões. Muitos atletas se queixam de episódios ocorridos que evidenciaram a de preparo mental para o de tênis. Esses acontecimentos não são meros detalhes, há inúmeros exemplos de partidas que foram decididas justamente por consequência de componentes emocionais, a favor ou contra, os vencedores e derrotados. Sendo assim, quais as principais habilidades psicológicas que um tenista deve possuir para se tornar um atleta diferenciado? Devemos levar em conta os padrões de comportamento e as características individuais. Comportamentos são aprendidos e as pessoas podem mudar características ao longo do , qualquer habilidade pode ser desenvolvida.

MAS, AFINAL, O QUE É HABILIDADE PSICOLÓGICA?

Como o nome já diz, habilidades são qualidades ou atributos a serem obtidos. Tal como as habilidades físicas e técnicas, as psicológicas necessitam de tempo, prática, repetição e conhecimento para que se possa melhorar o desempenho e obter resultados mais consistentes. Todos os aspectos que vamos listar a seguir podem ser desenvolvidos em longo prazo e podem até ser transferidos para vida fora do âmbito esportivo.
Ron C. Angle/TPL

1. EQUILÍBRIO EMOCIONAL

Os competitivos talvez sejam um dos poucos fenômenos sociais em que as emoções oscilam abruptamente. Se nos espectadores é comum, imagine nos protagonistas. Desenvolver o equilíbrio emocional é fundamental para um tenista. Um erro pode ocasionar uma avalanche de sentimentos negativos e levar à derrota. Saber retornar desses momentos (frequentes) dos jogos é uma habilidade que pode ser diferencial para uma decisão e até para a carreira de qualquer futuro atleta. A tensão exacerbada proporciona emoções negativas como raiva, frustração e medo. Como consequência, pode-se desencadear problemas durante a atuação, incluindo a tensão muscular e desvio de concentração, que propicia as distrações, lentidão de raciocínio na execução de golpes, movimentos lentos, entre outros.

DICA

Utilize o tempo entre os a seu favor. Cerca de 70% de um jogo de tênis se passa com a parada. 30 segundos podem lhe ajudar muito para reduzir seu ritmo cardíaco e ansiedade. Relaxe os músculos dos braços, respire profundamente. Usar esse tempo favoravelmente torna-se imprescindível.
Ron C. Angle/TPL

2. CONCENTRAÇÃO

Sempre ouvimos alguém dizendo "Concentre-se", "Foco", etc. Você sabe o que é isso? No , estar concentrado é um dos aspectos importantes para o bom rendimento. No tênis, é vital. A concentração é um tipo de percepção. A percepção é basicamente é uma capacidade cognitiva que nos faz reconhecer o mundo ao nosso redor através dos sentidos (visão, tato, olfato, audição, paladar). Portanto, para perceber alguns eventos que nos cercam, nosso cérebro utiliza a atenção.
Nosso ambiente está cercado por vários estímulos que aguçam a nossa percepção, e a atenção seleciona e codifica alguns deles que nos interessam no momento. Quando focamos em poucos estímulos, utilizamos a concentração - que nada mais é do que prestar mais atenção naquilo que é relevante para nós naquele determinado momento. Ou seja, em quadra seria focar na bolinha, no , nos pensamentos e nas sensações corporais. Quando você ouvir alguém falar de foco, lembre-se de um feixe de luz iluminando um local escuro. A falta de concentração em determinados momentos do jogo é uma das queixas mais frequentes que os psicólogos do esporte escutam não só de tenistas, mas de atletas de diversas modalidades (exemplos: como se concentrar e não ficar pensando na , na prova da próxima semana, no namorado, na festa de aniversário etc).
No tênis as interações são rápidas, as trocas de bolas, o , a movimentação, por isso a concentração é uma habilidade muito influente. Em outros esportes, o nível de concentração não precisa ser tão exacerbado.

DICA

Muitas vezes, os ficam remoendo os erros, pensando neles durante grande período e esquecem de focar no "Aqui, agora". Isso desconcentra. Os rituais ajudam muito a manter o foco. Foque-se nos aspectos relevantes ligados ao desempenho da tarefa no momento que está acontecendo. Tenha pensamentos positivos.
Ron C. Angle/TPL

3. TOLERÂNCIA À FRUSTRAÇÃO/ PERSEVERANÇA

As derrotas podem ensinar mais do que as vitórias. Pouco tempo atrás, Novak Djokovic era um coadjuvante em relação a Rafael Nadal e Roger Federer. Em diversas entrevistas, ele disse que aprendeu muito com as suas derrotas. Esse foi seu principal combustível para se desenvolver, estudar os seus erros e obter a confiança para perseverar. Alguns adversários são mais do que simplesmente rivais, eles podem proporcionar indiretamente as condições para a evolução de um atleta.
Encontre o lado positivo em suas derrotas. Se a derrota equivalem ao fracasso, nunca se ganhará a batalha da confiança com esse tipo de crença. Tenha a capacidade de aprender muito mais com uma derrota que de com uma .

DICA

Seu lema deve ser sempre: "Ganhando ou perdendo, vou dando outro passo adiante em busca de evolução". Isso independentemente do resultado de suas partidas.
Ron C. Angle/TPL

4. DESEMPENHO SOB PRESSÃO E SOB ADVERSIDADES

Controlar a ansiedade nos momentos mais difíceis, fechar um game, um set, no match-point, ou, pelo contrário, tentar reverter um placar adverso, quebrar o saque do adversário quando acabou de perder, são comportamentos típicos que ocorrem durante os jogos e que naturalmente põem pressão em quem está atuando.
Todo atleta, antes do início de uma partida, sente-se ansioso, agitado, apreensivo de que possa acontecer algo inesperado. Não é adequado que essas sensações cresçam e se tornem amedrontadoras a ponto de as pessoas não conseguirem realizar plenamente suas capacidades. Aceitar que a ansiedade é inevitável na competição e saber que pode lidar com ela é uma habilidade essencial para recuperar o controle psicológico na sequência de acontecimentos inesperados ou distrações. Superar o medo, ele é uma emoção natural do ser humano e pode ser controlado.
O psicólogo do esporte canadense, Garry Martin, ensina que, para eficácia dos aspectos psicológicos - quando eles são transferidos para o ambiente das competições -, os treinos devem ser o mais semelhante possível às exigências durante o torneio. É importante treinar saques e outros golpes, mas deve ser dado tempo para treinar questões mentais. Como isso pode ser feito? Simulando condições típicas competitivas, treinos mais intensos, com jogadores roubando os pontos, perdendo sets, com torcida a favor ou contra, com ruído e som alto, com placares adversos etc. Na preparação para os Jogos Olímpicos de Pequim 2008, a equipe de badminton chinesa utilizou de muitos treinos simulados, principalmente com o ginásio lotado, para ensinar aos seus atletas como lidar com a pressão da torcida e adversidade de um jogo, já que esse esporte é um dos mais populares na China. Portanto, a pressão pelo ouro olímpico seria inevitável. Os atletas chineses não decepcionaram levaram todos os ouros da modalidade.
Mesmo os grandes gênios do esporte, em algum momento da carreira, tiveram obstáculos e percalços e precisaram se superar para reconduzir sua trajetória. Essa característica é chamada de resiliência, termo que, assim como a palavra estresse, vem da física, e a psicologia emprega para designar o indivíduo que consegue ultrapassar grandes adversidades, resistir às pressões e, com muito esforço, reconduzir a sua vida. Na resiliência, a motivação é componente primordial de todo o processo de superação.

DICA

Respire profundamente entre os pontos, antes de sacar e quando se sentir agitado ou distraído.
Ron C. Angle/TPL

5. AUTOCONFIANÇA

Confiar em si mesmo e na sua equipe é uma habilidade que deve ser desenvolvida. Quem não a possui dificilmente consegue se dar bem no tênis. Autoconfiança é diferente de soberba, é entender que você possui qualidades e também limitações, é saber utilizar suas qualidades nos momentos negativos e trabalhar suas limitações nos treinos.
Assim como saber perder, aprender com as derrotas é uma lição importante, valorizar e usufruir das vitórias também é um comportamento que estimula a autoconfiança. Compartilhar sua felicidade com os colegas de equipe é uma atitude que lhe ajudará a desenvolver isso. Nos momentos de crise e adversidade, é necessário se lembrar das sensações da vitória, do prazer proporcionado ao conseguir um objetivo.
Pensar positivo, ter uma atitude positiva, verbalizar coisas positivas é tão importante em treino quanto em competição. Essas ações repercutem em nosso corpo, deixando-o mais relaxado e equilibrado para executar os movimentos necessários. Corpo e mente estão interligados e, por isso, as atitudes negativas também refletem em nosso corpo. A consequência, entre outros aspectos, é o desequilíbrio e a diminuição da performance.
Em competição, quanto mais você enfrenta adversidades, mais positivo tem que ser para construir a sua confiança e autoestima. A confiança está relacionada diretamente com o êxito percebido. Então, muitas vezes os tenistas só acham relevantes as vitórias nas partidas, quando o mais importante é sua atitude durante o jogo, ou seja, há jogos que se vence jogando mal e outros que se é derrotado jogando bem.

DICA

Uma estratégia que pode ajudar é o autodiálogo positivo, não só nos momentos de dificuldade, mas também nos acontecimentos positivos. No autodiálogo, o objetivo é ajudar os tenistas a controlar os seus pensamentos durante o treino e a competição para contribuir com o sucesso. Vibre bastante.
Ron C. Angle/TPL

6. MOTIVAÇÃO

Podemos definir motivação basicamente como os motivos que nos levam às ações em busca de nossas metas em todos os aspectos de nossas vidas. Pode ser exemplificada também como a direção e a intensidade de nossos esforços. Sejam eles estudar para passar no vestibular ou treinar intensamente o ano todo para ganhar um campeonato. Motivação é uma "energia psicológica" que faz com que nos comportemos de determinadas maneiras. Para saber o que lhe motiva é imprescindível ter autoconhecimento. Portanto, quando falamos de motivação não existe "receita de bolo", pois ela é pessoal, individual e exclusiva. Não há motivação sem busca por metas.
As metas podem tornar nossos sonhos e ambições profissionais palpáveis, desde que façamos algo para alcançá-las. É preferível, do ponto de vista psicológico, que se pretenda alcançar metas de atuação em vez de resultados. As metas de atuação podem ser controladas. Os resultados, não. As metas de atuação são de esforço, por exemplo: ter uma boa atitude durante o jogo; manter-se confiante nos momentos difíceis; atacar em bolas curtas; jogar preferencialmente golpes cruzados ou subir à rede. Esse tipo de meta é mais fácil de executar, depende exclusivamente do indivíduo. As metas por resultados (ganhar um torneio, chegar às quartas-de-final, dar um "pneu" no adversário) são mais complexas de se atingir, pois não dependem fundamentalmente do indivíduo, mas de outras variáveis que não podem ser controladas e a probabilidade de frustração é muito alta.

DICA

Estabeleça metas (de curto, médio e longo prazo) e escreva-as. Elas tem que ser: específicas (melhorar um golpe), mensuráveis (possível de ser medida), dentro do controle (possível de ser adquirida com treino), realistas (de acordo com suas habilidades no momento) e de limite temporal (data para conseguir realizar).
Ron C. Angle/TPL

7. RESPEITO

Respeitar o adversário, as regras do jogo, o fair-play, o ambiente competitivo, os horários da partida, os árbitros, assistentes e colaboradores deve ser um objetivo. Apesar de o tênis ser um esporte individual, ele é um jogo e necessariamente precisará de pelo menos outra pessoa para dividir a quadra. Por mais que em determinadas ocasiões algum adversário tenha um comportamento desrespeitoso, tenha uma atitude superior e não caia nesse tipo de "catimba".

DICA

Adversários sim, inimigos não.

Ron C. Angle/TPL

8. INTELIGÊNCIA TÁTICA

Saber ler as nuances do jogo do adversário, seus pontos fortes e fracos, e utilizar estratégias para minimizar as jogadas dele. Isso é inteligência tática. Em competições, os jogadores deveriam evitar focar em seus pontos fracos (deixe isso para os treinos). Devem pensar nos pontos positivos de seu jogo, tendo por base os pontos fortes, ou seja, abusar de suas jogadas de confiança. Quanto mais positivo for durante a competição, melhor, mesmo que seus pensamentos sejam negativos com relação a si mesmo.
É importante ter um repertório grande de variação de jogadas e ter paciência para colocá-las em prática nos momentos adequados. Nem sempre seu estilo de jogo irá se encaixar com o do adversário. Ter coragem de arriscar pode ser fundamental quando estiver numa situação como essa. Jogar com simplicidade também ajuda.
Inteligência não é sinônimo de belas jogadas. Em muitos momentos, fazer o básico para marcar um ponto pode ser a estratégia mais adequada.

DICA

Treine com jogadores com estilos diferentes e tente impor seu jogo. Isso lhe ensinará a desenvolver inteligência tática.
Ron C. Angle/TPL

9. DISCIPLINA

Habilidade e talento por si só não são os únicos requisitos para uma carreira vitoriosa. É necessário muita disciplina. Michael Jordan disse certa vez que 90% é transpiração e 10% inspiração. Pelé frequentemente comenta que após as rotinas diárias, ele ficava mais tempo treinando faltas com a sua perna esquerda (ele é destro) e cabeceio (que ele dizia ser seu pior fundamento).
Treinar com intensidade, cuidar da alimentação e dormir bem são fundamentais para qualquer atleta. O treinamento esportivo nada mais é do que repetição de exercícios. Há um estudo que diz que, para ser especialista em qualquer área, são necessárias 10 mil horas de prática. Portanto, isso leva anos para ser adquirido.
Infelizmente, algumas coisas terão de ser deixadas de lado em algum momento na carreira esportiva. Às vezes, o lazer, a convivência com os amigos e até familiares. Porém, todos os seres humanos necessitam de momentos de relaxamento e de descanso (físico e mental). Entregar-se a eles faz parte de uma atitude disciplinada. Desligue do tênis nessas ocasiões e aproveite para fazer algo que não faz com tanta frequência.

DICA

Disciplina é também sinônimo de paciência, de comprometimento e de responsabilidades.
Ron C. Angle/TPL

10. ESPÍRITO DE LUTA

Alguns comportamentos podem ser sinônimo de espírito de luta: garra, atitude, intensidade, coragem, jogar do primeiro ao último ponto com a mesma gana e energia, manter uma situação emocional construtiva quando as coisas vão mal, acreditar em seu potencial. Pense nos comportamentos de Nadal em quadra, eles sintetizam essas características.
Treinar e jogar com intensidade é uma habilidade que requer repetição. Você dará o melhor de seu jogo quando puder manter um estado de intensidade elevada e de energia, que se alimenta essencialmente de suas emoções positivas. Os sentimentos de entusiasmo, inspiração, decisão e desafio são um ponto central para se desenvolver nessa habilidade. Os treinamentos servem de termômetro para as competições, ou seja, não há formula mágica. Quanto mais semelhante os treinos forem das competições, melhor. Dessa maneira, muitas características podem ser generalizadas e transferidas. O treinamento sem qualidade não lhe capacitará para competir bem.

DICA

Entre em quadra nos treinos e competições para fazer o melhor que você pode naquele dia.

Original: http://revistatenis.uol.com.br/artigo/10-principais-habilidades-psicologicas_9006.html#ixzz3UvObDjC6

segunda-feira, 25 de maio de 2015

4. Etapa CTSG - Inscricoes abertas

Não percam tempo, pois 50% das inscrições já foram preenchidas.

Torneio com limite de 120 inscritos.



Assim que receber informações sobre o evento, repasso.

Abc




domingo, 24 de maio de 2015

Canal 100% Roland Garros.

Quadra  Philippe Chatrier peq

     A SKY, maior operadora de TV por assinatura via satélite do País, anuncia, pelo terceiro ano consecutivo, parceria com a Band para a mais completa transmissão de Roland Garros. A operadora disponibilizará a seus assinantes, sem custo adicional, a partir de sábado (23), o Bandsports2, canal temporário exclusivo com toda a programação 100%voltada ao Grand Slam francês.

     O Bandsports2 (disponível nos canais 224 em HD e 134 em SD) vai transmitir 24 horas por dia conteúdo exclusivo e jogos ao vivo de Roland Garros 2015, comentados por grandes nomes da modalidade, como Andrea Vieira, a Dadá Vieira, um dos principais nomes do tênis feminino brasileiro; Ricardo Mello, que chegou ao 50º no ranking mundial; e Jaime Oncins, um dos tenistas de maior relevância da história do Brasil. Diretamente de Paris, França, o canal trará entrevistas, bastidores e jornais diários ao vivo.
     
     O canal Bandsports, também integrante da grade de programação da SKY (canal 225 em HD e 25 em SD), transmitirá ao vivo quatro jogos por dia, o que garante ao assinante da SKY, diariamente, um total de oito jogos ao vivo – a maior cobertura de Roland Garros.

     Os assinantes poderão ainda assistir aos jogos pela internet através do SKY Online, plataforma OTT da operadora. Os canais Bandsports e Bandsports2 estarão disponíveis gratuitamente durante todo o torneio. Para assistir, o cliente deverá acessar o portal www.skyonline.com.br e fazer o login.

     Além disso, a operadora disponibilizará um mosaico interativo no canal 135, que possibilitará aos assinantes checarem de maneira fácil e rápida o que está sendo exibido simultaneamente em cada canal (Bandsports e Bandsports2) e ainda acessar resultados e informações das partidas.
A parceria entre SKY e Band para a transmissão de Roland Garros vai até 2017.

De Santa Cruz do Sul, César Kist assume desenvolvimento do tênis na América do Sul

Fonte: CBT

     O tênis brasileiro tem a partir deste mês de maio mais uma importante representação internacional, com César Kist assumindo o cargo de Oficial de Desenvolvimento do Tênis para a América do Sul na ITF (Federação Internacional de Tênis).

     Cesar Kist tem 50 anos, foi tenista profissional e atingiu o número 119 do mundo em simples e 79 de duplas no ranking da ATP, além de integrar a equipe brasileira da Copa Davis. Também foi técnico dos japoneses Goichi Motomura e Kyoko Nagatsuka, além de trabalhar no desenvolvimento de treinadores dentro da Confederação Brasileira de Tênis (CBT) como coordenador de Capacitação da entidade. 

    O brasileiro substituirá o chileno Miguel Miranda, que ocupou o cargo de 1996 a 2015 na ITF. Em sua nova responsabilidade, Kist terá como meta o desenvolvimento do tênis nos países da América do Sul para todos os segmentos, seguindo basicamente os três pilares abaixo:
- Mais jogadores e pessoas jogando tênis com projetos de massificação, escolinhas de tênis e de treinamento nas escolas;
- Melhorar o desenvolvimento de jogadores, com centros de treinamento, torneios juvenis, giras europeias, calendário de torneios e alto rendimento;
- Capacitação dos profissionais que trabalham com tênis em todas as áreas, principalmente os técnicos.

     Kist será empossado no novo cargo na Assembleia Geral da Confederação Sul-Americana de Tênis (Cosat), que acontece nesta sexta-feira e sábado, dias 8 e 9 de maio, em Buenos Aires, na Argentina, que reunirá os dirigentes de todas as federações nacionais da América do Sul. 

     A nova atividade de Cesar Kist na ITF não encerra seu trabalho à frente do Departamento de Capacitação e Desenvolvimento da CBT. Ele vai conciliar as atividades dos dois cargos, o que é positivo para o tênis brasileiro, que no ano passado recebeu certificação ouro da ITF na capacitação de treinadores, válida até 2016.
“É muito importante para o tênis brasileiro ter uma pessoa nesta função, trabalhando próximo às confederações e federações ligadas à Cosat”, finaliza Cesar Kist.


Thomaz Bellucci é campeão em Genebra.


Thomaz Bellucci é campeão em Genebra e acaba com jejum de três anos sem título FABRICE COFFRINI/AFP
Thomaz Bellucci na decisão em Genebra Foto: FABRICE COFFRINI / AFP
 
 
O brasileiro Thomaz Bellucci, número 60 do mundo, acabou com uma longa espera de quase três anos sem levantar um troféu ao conquistar neste sábado o torneio de Genebra, com vitória por 7-6 (7/4) e 6-4 sobre o português João Sousa.

Este é o quarto título do tenista paulista, que não disputava uma final no circuito principal da ATP desde outubro de 2012, quando perdeu a decisão do torneio de Moscou para o italiano Andras Seppi.

A última conquista havia acontecido em junho do mesmo ano, no torneio de Gstaadt, também na Suíça, onde também triunfou em 2009. O tenista paulista também levantou o troféu em Santiago, no Chile, em 2010.

Todos os quatro títulos foram conquistados no saibro, e três deles na terra de Roger Federer.

Na final de Genebra, Bellucci precisou batalhar bastante contra 50º tenista do mundo.
O primeiro set foi muito disputado, e o brasileiro levou a melhor ao mostrar mais frieza na reta final do tie-break.

No segundo, João Sousa conseguiu a quebra logo de cara, mas Bellucci devolveu para empatar em 4-4 e emendou três games seguidos para fechar a partida e garantir o título.

O número um do Brasil, que fez boas campanhas nos Masters 1000 de Madri e Roma, fazendo até jogo duro com sérvio Novak Djokovic na capital italiana, chega embalado para Roland Garros.

A estreia no Grand Slam parisiense será contra o australiano Marinko Matosevic, centésimo colocado do ranking.

* AFP
 
FONTE: ZH ESPORTES E ATP
 
 
CLIQUE NA IMAGEM E VEJA O RESUMO DO JOGO:
 
http://www.atpworldtour.com/Tennis/Media/Videos/Uploaded/2015/5/23/Geneva-2015-Final-Highlights.aspx#ooid=FmMDM5dTqs3XU0MqbIO7np7XWPJzoyon
 

http://www.atpworldtour.com/Tennis/Media/Videos/Uploaded/2015/5/23/Geneva-2015-Final-Highlights.aspx#ooid=FmMDM5dTqs3XU0MqbIO7np7XWPJzoyon


segunda-feira, 27 de abril de 2015

VIII Aberto de Flores da Cunha - PROGRAMACAO




Flores da Cunha

Cultura

Flores da Cunha é conhecida como a "Terra do Galo" devido a um episódio onde um mágico passou pela cidade dizendo que iria cortar a cabeça de um galo e em seguida iria fazer uma mágica e o pescoço novamente se uniria ao resto do corpo, e o galo voltaria à vida. Porém, na hora da apresentação, ele disse que havia esquecido o pó mágico e que ia buscá-lo, mas neste meio tempo ele fugiu da cidade em um Ford modelo T.
A cidade é considerada a mais italiana de todas as cidades que receberam imigrantes em 1877. Um forte apelo do município é a preservação das tradições culturais, herdadas dos imigrantes italianos, fundamentados na língua, na gastronomia, na música, na religiosidade, nos usos e costumes nos demais elementos da cultura de imigração da região nordeste do estado do Rio Grande do Sul.
Na área rural as pequenas colônias são produtoras de licoresqueijos, vinhos e outros produtos coloniais.

[editar]Turismo

Ao lado da Igreja Matriz Nossa Senhora de Lourdes há um imponente campanário de 55 metros de altura, todo em pedras debasalto, num total de 11.122 pedras. Demorou três anos sua construção, de 1946 a 1949, sendo que as pedras eram transportadas de caminhão e puxadas para cima com roldana. Os cinco sinos foram fundidos em Savóia, na França. O maior pesa 1.200 quilos; o segundo, 600 quilos; o terceiro, 350 quilos; o quarto, 150 quilos; e o quinto, 80 quilos. Os quatro relógios com mostradores de três metros de diâmetro, foram fabricados em Estrela, no Rio Grande do Sul, em 1948.
Na área do turismo de compras destacam-se a Festa Nacional da Vindima e a Feira de Inverno; no turismo religioso – Corpus Christi e Romaria ao Frei Salvador, com trilhos e tapetes confeccionados em serragem pela comunidade.

[editar]Destaques

  • Maior produtor de vinhos do Brasil
  • 2º maior produtor de uvas do Brasil
  • 2º pólo moveleiro do estado
  • 2º maior produtor de alho do estado
  • 1º produtor de bebidas alcoólicas do estado
  • Indústria diversificada (uma para 17,6 hab.)
  • Forte produção de hortifrutigranjeiros e comércio e serviços







Maiores detalhes em: www.ctsg.com.br